Cada corpo reage de uma forma durante a gestação, há quem diga que teve leite desde o 2º mês e quem leve mais de uma semana após parto para o leite “descer”.

Minha mãe me deixou em pânico contando que as rachaduras são uma dor insuportável e eu me lembro que na gestação da minha irmã ela sofreu bastante.

Então ela me deu a dica de preparar o mamilo e o peito para o tal momento de amamentar.

A partir do sexto mês de gestação, eu comecei a usar uma esponja comum de banho, esfregava sem muita força até onde eu sentia ser o meu limite (para não ficar sensível ou irritado).

Depois, no sétimo mês comecei com as massagens no peito e a tentar extrair o leite, apertava antes do banho por uns 5 minutos, mesmo sem sair nada. Alguns dias depois começou a sair uma gotinha minúscula do colostro, parecia uma cola transparente. Continuei com o ritual até começar a formar umas gotículas no mamilo.

Fiz isso até a Gi nascer, e assim que subimos pro quarto (uns 20 minutos depois do parto) o leite já estava no jeito, não tive dor e nem rachaduras.

Uma vez, apareceu uma fissura em um mamilo, optei por dar apenas o outro peito até que estivesse melhor.

No caso da minha mãe, as rachaduras eram grandes e sangravam, ela optou por comprar uns bicos de silicone que ajudam o baby a não pegar direto no mamilo.

Acho que vale a pena tentar a esponja comum (não a vegetal que esfola tudo!) e tentar extrair um pouco antes da chegada do baby!